Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Novidade - "Civilizações" de Laurent Binet

22.06.21

3xcv.jpg

Mais sobre o livro aqui

Muito interessante!

Sinopse:

Como seria o mundo hoje se, em vez de Colombo ter chegado à América, tivessem sido os Incas a chegar à Europa?
Como seria o mundo hoje se a História tivesse acontecido de maneira inversa ao que conhecemos? E se, em vez de Colombo ter chegado à América, tivessem sido os Incas a chegar à Europa?

Houve três coisas que faltaram aos índios para conseguirem resistir aos conquistadores: o cavalo, o ferro e os anticorpos às doenças europeias. Mas, neste romance, Laurent Binet dá-lhes o domínio dos cavalos, o conhecimento do ferro e a imunidade necessária. E põe Athaualpa, décimo terceiro e último imperador inca, a desembarcar em Lisboa, nos dias que se seguiram ao terramoto de 1531.

Cristóvão Colombo e os seus homens sucumbiram a uma morte obscura e inglória em paragens distantes e desconhecidas. E a Europa de Carlos V é um continente de monarquias extenuadas, populações famintas à beira da revolta, querelas religiosas, piratas que atacam portos, batalhas que destroem cidades e aniquilam exércitos. E também da Inquisição espanhola, da reforma de Lutero, do capitalismo incipiente e do milagre da tipografia.

Divertido e delirante como A Sétima Função da Linguagem e alegórico como HHhH, Civilizações reescreve a História e muda o destino da globalização.

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«Uma aprazível combinação literária de aventuras, fábulas, exotismo e utopia.»
El País

«Este romance mobiliza os recursos do humor ao serviço de uma meditação melancólica sobre a História. O espírito irónico e o virtuosismo explodem nesta inversão da História.»
Le Monde

«Depois de um policial semiológico, o autor copia o estilo da saga, dos anais e dos diários de bordo. Ele diverte-se – e nós com ele. A História torna-se um sonho quixotesco de ficções.»
Livres Hebdo

«Um fresco audacioso em que nos cruzamos com Cervantes, Erasmo ou Ticiano.»
Le Figaro

«Uma outra maneira de ver a colonização e o legado cultural que suscita o júbilo de um demiurgo.»
La Libération

«Audacioso e saboroso.»
Historia