Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Novidade - "A Bíblia Tinha Mesmo Razão?" de Francisco Martins

29.11.23

450yt.jpg

Mais sobre o livo AQUI

As histórias bíblicas continuam a despertar o interesse de crentes e não-crentes, e é inevitável que um leitor contemporâneo se pergunte pela historicidade do que lhe é relatado: Abraão e Moisés existiram mesmo ou são apenas personagens de ficção? O Êxodo do Egito aconteceu nos moldes em que é celebrado na Bíblia? E a conquista da "terra prometida": facto ou mito? Quão gloriosos foram os reinados de David e Salomão? Como e quando nasceu o monoteísmo bíblico?

Inspirado por estas e outras questões, o livro propõe um percurso através da História do Israel Antigo, dos primórdios até ao início do período romano (século I a. C.). Analisam-se os textos bíblicos (do livro do Génesis até aos livros dos Macabeus) à luz das mais relevantes descobertas arqueológicas e epigráficas, com o objetivo de reconstruir os eventos históricos e oferecer uma panorâmica do passado do povo que escreveu a Bíblia.

Honrando o trabalho desenvolvido por exegetas, historiadores e arqueólogos, o livro introduz o leitor aos mais recentes resultados da investigação científica. Discute-se o contributo destes avanços para a compreensão da relação entre a Bíblia e a História e propõe-se uma nova perspetiva sobre eventos e personagens que povoam há séculos o imaginário da cultura ocidental.

EXCERTOS
«Afinal, a Bíblia tinha mesmo razão? No final deste percurso pela História do Israel Antigo, é justo concluir que a resposta a esta pergunta é tudo menos evidente. Tanto quando se interroga a Bíblia sobre acontecimentos ou circunstâncias históricas concretas como quando se coloca a questão mais genérica da relação entre Bíblia e História é inevitável reconhecer-se que responder simplesmente “sim” ou “não” empobrece a nossa compreensão não só do perfil e do horizonte da literature bíblica, mas também da tarefa da reconstrução histórica.»
Da Conclusão