Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Ainda sobre o livro "Caste - The Lies That Divide Us"

15.04.21

da.png

Na sequência da minha publicação da semana passada sobre o livro “Caste – The Lies that Divide Us” de Isabel Wilkerson, um leitor enviou-me um email onde registava que o livro é para ser lido apenas numa perspetiva americana do tema, não se pode generalizar. Não concordei, respondi de uma forma breve e educada, mas hoje gostaria de refletir um pouco mais sobre o tema.

Pese embora o livro se centre de facto na realidade dos EUA, a verdade é a autora enquadra e contextualizado as suas ideias, comprovando as mesmas com a realidade da Índia e também com a subjugação dos judeus pela Alemanha nazi. Esta contextualização diz-nos que o problema não é americano, antes pelo contrário, e, no limite que é perigoso não percebermos que pode ser um problema global, ainda que mais ou menos exacerbado.

A ideia de castas, mais vincada menos vincada, subtil ou mais marcada, existe. Pode ser estabelecida com base na raça ou não. É a ideia de que existem seres humanos que são inferiores a outros e que por isso podem ser abusados, subjugados, ou simplesmente diminuídos.

Um exemplo prático que aconteceu próximo de mim: há uns anos atrás, num local onde trabalhei, alegadamente desapareceu um relógio de um colega do seu módulo de gavetas. O individuo em causa, que havia deixado o módulo de gavetas sem estar fechado à chave, começou a reclamar alto e bom som o alegado roubo, direcionando imediatamente a culpa para as empregadas de limpeza, perante a concordância de mais alguns elementos.

Poderão estar a pensar que se trata de uma questão de discriminação racial, porque efetivamente as senhoras da limpeza eram todas negras, no entanto, o individuo em causa não sabia disso porque entrava todos os dias às 12horas e nunca se tinhas cruzado com elas. O que aconteceu foi uma assunção direta de que só podia ter sido alguém que não fosse “um semelhante”, se quisermos alguém de uma casta inferior, “esse tipo de gente” como o próprio mencionou, acrescentando algo do género “os meus pais tem imensos problemas com essa gente”.

O que está em causa na situação acima é uma questão, à sua maneira, de castas, uma ideia de que há pessoas, pelas suas caraterísticas, proveniência, status social, que são inferiores a outras, e que por isso tem uma condição diferente e menor.

Não quero exagerar na dimensão da questão e sei que não é comparável, mas se fizermos um exercício de análise, acho que quase todos conseguimos encontrar focos onde a realidade referida no livro de manifesta. Em Portugal, diz-se que somos um país de brandos costumes, mas não somos imunes a esta realidade, com raça pelo meio, ou não. E acho que é importante que não nos esqueçamos disso. Somos todos pessoas, iguais, e não é o dinheiro, a raça, ou a posição social que altera isso.

Uma última nota para referir o seguinte: sei que por vezes passam por este espaço pessoas ligadas a várias editoras, pelo que deixo aqui o repto para considerarem este livro para tradução para português. Acho que é uma obra de grande valor e que devia ser dada a conhecer ao público português.

4 comentários

Comentar post