Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Novidade - "Gosto de ti (quase sempre)" de Anna Llenas

29.02.20

dasddad.png

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Porque será que determinadas características de uma pessoa por vezes nos agradam mas outras vezes nos incomodam?
O Rui e a Rita são muito diferentes um do outro. Aceitar as diferenças nem sempre é fácil... Mas quem disse que seria?
Este livro destina-se não só a crianças mas também a adultos, e convida-nos a compreender o que nos diferencia, mostrando o efeito mágico dos opostos.

 

Novidade - "O Erro de Galileu - Bases para uma nova ciência da consciência" de Philip Goff

29.02.20

dasdasdadad.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Um dos mais eminentes filósofos da mente propõe um argumento lúcido e provocador que cria uma imagem radicalmente nova da consciência humana: o pampsiquismo.

Compreender a maneira como o cérebro produz a consciência é um dos maiores desafios científicos do nosso tempo. Philip Goff propõe uma alternativa empolgante que poderá desbravar novos caminhos. Com raízes numa análise dos fundamentos filosóficos da ciência moderna e baseado na obra, que remonta ao princípio do século XX, de Arthur Eddington e Bertrand Russell, Goff apresenta argumentos convincentes a favor do pampsiquismo, uma teoria que propõe que a consciência não está confinada às entidades biológicas mas é uma característica fundamental de toda a matéria física, das partículas subatómicas ao cérebro humano.

Críticas
 
«Um manifesto para uma nova geração de filósofos que pensa que é preciso reavaliar a nossa visão do mundo físico para nele acomodarmos a consciência. As ideias de Goff são radicais, mas os seus argumentos são rigorosos e é um prazer ler este livro. Recomendo-o a todos os que desejem saber mais sobre o mistério da consciência.»
David J. Chalmers, autor de The Conscious Mind e professor na Universidade de Nova Iorque

«Corajoso e claro, o novo livro de Goff apresenta ao público uma abordagem revolucionária de um dos mistérios mais persistentes: como é que o cérebro, com os seus processos químicos e elétricos, dá origem a uma mente cujos pensamentos, emoções, cores e timbres apreendemos de imediato?»
Lee Smolin, autor de Einstein’s Unfinished Revolution e membro fundador do Perimeter Institute for Theoretical Physics

Leitura - "O Pequeno Livro dos Buracos Negros" de Steven S. Gubser e Frans Pretorius

29.02.20

003.jpg

Mais sobre o livro aqui

Foi uma leitura mais difícil do que o esperado, mas está concluída.

A base para a dificuldade não está no livro, mas sim no leitor. Obviamente já sabia que o tema do livro (Buracos Negros) não é simples para leigos, mas acabou por ser um pouco mais complicado do que estava à espera. Não tem nada a ver com a forma de escrita, mesmo a ver com o tema: o tema é complexo, por isso não é simplificável. Não é possível simplificar explicações que podem inclusive meter equações pelo meio, e, é preciso dizê-lo, os autores fazem um enorme esforço para explicar questões mais complexas recorrendo a exemplos mais correntes.

Quando leio livro no campo da astronomia / astrofísica, faço-o sempre com a consciência de existe uma parte significativa que eu vou conseguir entender apenas em parte, mas continuo (e continuarei) a fazê-lo porque é um tema que adoro e porque a cada livro há mais um pedaço de conhecimento adquirido. Nesse ponto, este livro não foi exceção.

Uma nota particular para o epílogo do livro que é uma carta muito bem conseguida dirigida a Einstein.

É uma leitura interessante, sobre um tema complexo e muito técnico (se assim se pode chamar), mas que permite a qualquer amante do espaço alargar conhecimentos. Talvez não tanto quando desejaria, no caso deste leitor, mas, repito, o problema não está no livro.

4Estrelas.png

 

Novidade - "Os Tempos do Ódio" de Rosa Montero

28.02.20

 

dddaa.jpgMais sobre o livro aqui

Sinopse:

Independente, pouco sociável, intuitiva e poderosa, a detetive replicante Bruna Husky tem apenas um ponto vulnerável: o seu enorme coração. Dilacerada pelo súbito e inexplicável desaparecimento do homem que ama, o inspetor Paul Lizard, a replicante enceta uma investigação desesperada e em contrarrelógio que a conduz até uma colónia remota dos Novos Antigos, uma seita que nega a tecnologia, e às origens de uma trama sombria de luta pelo poder, que remonta ao século XVI. Enquanto isso, a situação no mundo é cada vez mais tumultuosa, a tensão popular aumenta e a guerra civil parece inevitável. Numa história que é, no essencial, um retrato preciso e deslumbrante dos tempos em que vivemos, Bruna terá de enfrentar o seu maior medo: a morte.

Os Tempos do Ódio é um romance intenso e emocionante, no qual estão presentes os grandes temas da escrita de Rosa Montero: a passagem do tempo, a paixão como forma de vencer a morte, o amor ao próximo como fator indispensável para uma vida plena, a luta contra os excessos do poder e o horror aos dogmas.

Críticas de imprensa

"Desde o primeiro momento […] seguimos Bruna Husky com paixão."

Sobre Bruna Husky
Babelia (El País)

Longlist do Booker Prize International de 2020

28.02.20

asdada.jpg

 

Foi conhecida ontem a longlist dos candidatos ao Booker Prize International de 2020.

De entre os 13 candidatos o nome mais sonante será provavelmente Michel Houellebecq, com o livro “Serotonina”, livro que por acaso tenho na calha para leitura a curto prazo. Dos restantes autores confesso que conheço muito pouco.

A 2 de abril será conhecida a shortlist e o vencedor será anunciado a 19 de maio.

A vencedora do ano passado foi Jokha Alharti com o livro “Corpos Celeste”, editado recentemente em Portugal (mais sobre o livro aqui).

Deixo abaixo a lista dos três nomeados da longlist

1.“Red Dog”, de Willem Anker (África do Sul). Traduzido por Michiel Heyns

2.”The Enlightenment of The Greengage Tree”, de Shokoofeh Azar (Irão). Tradutor anónimo

3.”The Adventures of China Iron”, de Gabriela Cabezón Cámara (Argentina). Traduzido por Iona Macintyre e Fiona Mackintosh

4.”The Other Name: Septology I – II”, de Jon Fosse (Noruega). Traduzido por Damion Searls

5.”The Eighth Life”, de Nino Haratischvili (Geórgia). Traduzido por Charlotte Collins e Ruth Martin

6.”Serotonina”, de Michel Houellebecq (França). Traduzido por Shaun Whiteside

7.”Tyll”, de Daniel Kehlmann (Alemanha). Traduzido por Ross Benjamin

8.”Hurricane Season”, de Fernanda Melchor (México). Traduzido por Sophie Hughes

9.”The Memory Police”, de Yoko Ogawa (Japão). Traduzido por Stephen Snyder

10.”Faces on the Tip of My Tongue”, de Emmanuelle Pagano (França). Traduzido por Sophie Lewis e Jenninfer Higgins

11.”Little Eyes”, de Samanta Schweblin (Argentina). Traduzido por Megan McDowell

12.”The Discomfort of Evening”, de Marieke Lucas Rijneveld (Países Baixos). Traduzido por Michele Hutchison

13.”Mac and His Problem”, de Enrique Vila-Matas (Espanha). Traduzido por Margaret Jull Costa e Sophie Hughes

Novidade - "A Insanidade das Massas" de Douglas Murray

27.02.20

adaddadad.jpg

Mais sobre o livo aqui

Sinopse:

Neste seu novo livro, Douglas Murray analisa os assuntos mais fraturantes do século XXI, revelando as novas guerra culturais que acontecem nas empresas, nas universidades, nas escolas e dentro das nossas casas, em nome da justiça social e das políticas de identidade. Vivemos numa era em que as noções de religião e ideologia política colapsaram. No seu lugar emergiu um desejo cego de corrigir o que está errado e uma militância de identidade, ambos potenciados pelas redes sociais.

A agenda acabou dominada por um conjunto restrito de interesses enquanto a sociedade se torna cada vez mais tribal - e, como o autor mostra, as baixas estão a aumentar. Nenhum leitor, de qualquer quadrante político, pode ignorar este livro provocativo que procura dar sentido à discussão sobre os temas mais complicados do momento. A Insanidade das Massas termina com um impressionante apelo à liberdade de expressão, aos valores comuns e à sanidade numa era de histeria.

Leitura - "A Mensagem" de Mai Jia

27.02.20

0023.jpg

Mais sobre o livro aqui

Gosto de livros assim, que me surpreendem.

Escolhi esta leitura motivado pela curiosidade: nunca tinha lido nada de um autor chinês contemporâneo e tinha lido alguma (boa) critica ao livro anterior do autor, Mai Jia, traduzido para português, “A Cifra”.

O livro em si está dividido em 3 partes distintas. Quando cheguei ao fim da primeira parte a minha expetativa estava algo diminuída. O livro foi, até aí, interessante, mas comum, ou, diria mesmo normal.

Na segunda e terceira parte do livro o autor dá toda uma outra dimensão à história e consegue agarrar o leitor. Agarrou-me a mim pelo menos. Não é uma continuação da história, que até certo ponto “termina” na primeira parte, mas sim os outros lados da história.

O tema de fundo é um jogo de espionagem que tem lugar na China ocupada durante a II Guerra Mundial, onde é necessário identificar e apanhar o Fantasma, um espião infiltrado.

Não vou desvendar mais porque penso que é importante o leitor sentir-se surpreendido, como eu me senti.

É um excelente livro, construído com mestria de forma a cativar o leitor e a envolve-lo na trama. É importante estar atento.

Para quem está a procura de uma novidade interessante de um autor (por cá) menos conhecido, tem aqui uma excelente opção. Excelente leitura.

5Estrelas.png

 

Novidade - "Teatro de Fantoches" de M. W. Craven

26.02.20

0024.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Haverá algo pior do que ser queimado vivo?

Um assassino em série anda à solta. Ele raptou, mutilou e queimou homens nos círculos de pedra pré-históricos do condado de Cúmbria. Não deixou pistas, e a polícia está desorientada. Quando o nome do inspetor Washington Poe é encontrado gravado nos restos carbonizados da terceira vítima, ele é chamado a participar na investigação.

Poe não se quer envolver, mas o cruel assassino tem um plano e, por alguma razão, o inspetor faz parte dele. Acaba, então, por formar equipa com a brilhante, mas socialmente desajustada, analista de dados Tilly Bradshaw, e juntos irão identificar pistas que só Poe consegue seguir.

À medida que o número de corpos carbonizados aumenta, Poe percebe que há muito mais em jogo do que poderia imaginar. E, num final chocante que destrói tudo aquilo em que acreditava sobre si mesmo, o inspetor descobre que há coisas ainda piores do que ser queimado vivo…

Críticas de imprensa
 
«Um brutal e empolgante policial que se lê de um só fôlego.»
The Sun

Notícias Livrescas

26.02.20

sfssfs.jpg

dasda.jpg

Dois livros portugueses ilustrados, “Plasticus Maritimus” e “Troca-Tintas”, foram distinguidos pela Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, em Itália.

"Plasticus Maritimus, Uma espécie invasora", da bióloga Ana Pêgo e da escritora Isabel Minhós Martins, ilustrado por Bernardo P. Carvalho, recebeu uma menção na categoria de melhor livro de não-ficção para a infância e juventude. O livro Troca-Tintas, de Gonçalo Viana, obteve uma menção do júri na categoria de Opera Prima.

---- # ----

a-revolta-das-leguminosas-capamockup-300x200.jpg

O Grupo Auchan lançou uma coleção de livros infantis intitulada “Histórias Divertidas”

Os primeiros títulos, “A Viagem do Saco Plástico” e “A Revolta das Leguminosas”, estão à venda desde o passado dia 22 de fevereiro.

---- # ----

912iN+lcvKL.jpg

Vai ser lançado este ano em outubro o último livro do falecido Antony Bourdain, “World Travel: An Irreverent Guide” que foi organizado e concluído por Laurie Woolever, seu assistente.

Ao que se sabe o livro irá incluir também textos escritos por amigos e familiares.

 

Novidade - "Rockonomics" de Alan B. Krueger

25.02.20

fsfsfsfs.jpg

Mais sobre o livro aqui

Livro muito interessante. Despertou-me a curiosidade.

Sinopse:

Alan B. Krueger, que chefiou o Conselho Económico do Presidente dos EUA, serve-se da indústria da música, desde artistas rock a executivos do mundo da música, de agentes a promotores, para explicar os princípios da economia e as forças que modelam a nossa vida económica.

Os economistas reconhecem que, com frequência, a indústria da música é um bom indicador do estado da economia; é uma das primeiras a serem afetadas pela inovação tecnológica, e a análise da forma como os músicos compõem e vendem novas canções e como planeiam digressões mostra-nos o que aguarda as empresas e os funcionários de outras indústrias que se esforçam por se adaptar.

Críticas
 
«Uma voz essencial numa vasta gama de questões económicas.»
Barack Obama

«Leia este livro - quer seja um apreciador de rock, quer, como eu, ache que os Beatles e os Stones foram as últimas bandas de qualidade. Leia-o, porque Alan B. Krueger faz com que o tema pareça divertido e mostra como este 0,1 % da economia americana ilustra magistralmente as mudanças que se avizinham nas economias americana e global.»
Daniel S. Hamermesh, professor jubilado do Barnard College e autor de Spending Time

«A indústria musical tem percorrido um caminho tortuoso, mas Alan B.Krueger reconstitui a sua história de uma maneira inteligente e acessível. Rockonomics contém lições que vão para além da indústria musical. Por isso apertem os cintos e preparem-se para a viagem.»
Donald Passman, advogado e autor de All You Need to Know About the Music Business

«Uma mente absolutamente brilhante. A perfeita definição de equilíbrio entre os lados esquerdo e direito do cérebro!»
Quincy Jones, músico e produtor discográfico

«Rockonomics entretém, educa e esclarece. Alan B. Krueger leva-nos numa visita guiada pelos bastidores da indústria da música, criando, assim, uma metáfora brilhante da nossa economia. Extremamente recomendado.»
Harlan Coben, autor de Não Desistas, n.º 1 da tabela de vendas do New York Times

«Se gosta de música (soubemos que seriam precisas seis vidas inteiras para se ouvir uma vez todas as músicas já compostas), de ver os bastidores (digressões, streaming, scalping) e de conhecer as histórias por detrás das histórias (como Reginald Dwight conheceu Bernie Taupin e se tornou Elton John), então rock on! Ou, neste caso, RockOnOmics!»
Andrew Tobias, autor de The Only Investment Guide You’ll Ever Need

«Por acaso formei-me em Economia. Anos depois cruzei-me com um antigo colega que me perguntou o que andava a fazer. Disse-lhe que era gestor promocional de rock para rádio na Mercury Records. Ele respondeu-me: “Que desperdício de formação.” Espero que ele leia Rockonomics para perceber que eu não falhei por completo.»
Cliff Burnstein, cofundador, com Peter Mensch, da Q Prime, a empresa de management dos Metallica e dos Red Hot Chili Peppers

Pág. 1/7