Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Novidade - "Pensar sem Corrimão" de Hannah Arendt

16.10.19

0w.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Estes ensaios abordam temas que vão desde Karl Marx e a Tradição do Pensamento Político Ocidental até ao totalitarismo e a violência na sociedade americana.

O título é uma referência a um pensamento capaz de dispensar os tradicionais apoios da religião, da moral, da política ou da filosofia.

Curiosidades Livrescas

16.10.19

CL.png

De acordo com um estudo publicado na Social Science & Medicine, a leitura de livros por pelo menos 30 minutos por dia pode aumentar a vida útil de uma pessoa.

Os investigadores descobriram que aqueles que leem livros por meia hora, ou mais, por dia têm uma vantagem de sobrevivência de 23 meses (vivem quase dois anos a mais, em média).

Novidade - "Morrer na Primavera" de Ralf Rothmann

16.10.19

0ac.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Ralf Rothmann rememora o final da Segunda Guerra Mundial, em fevereiro de 1945, quando o exército alemão está a ponto de sucumbir ante a ofensiva aliada. Os estragos da guerra são visíveis em todo o país. Walter e Friedrich, dois amigos de dezassete anos que trabalham numa vacaria, julgam que nunca serão incorporados no exército e traçam planos para o futuro. Mas acabarão recrutados pelas tropas nazis e assistirão ao caos da debandada das forças alemães.
Aclamada como uma das obras mais importantes da ficção contemporânea alemã, e galardoada, em 2017, com o Prémio Kleist e o Prémio San Clemente, Morrer na Primavera é um romance em que a inocência e a culpa, a liberdade e o destino, a amizade e o dever são convocados por uma escrita límpida e contida, emocionante.

Críticas de imprensa
 
«Uma das obras mais emocionantes e importantes da temporada, e também um desafio. Este romance inaugura oficialmente a era pós-Günther Grass.»

Ina Hartwig, Die Zeit

«O melhor romance, desde há anos, sobre a guerra na Alemanha, um relato pacifista profundamente humano e belo, de validade universal.»

Cecilia Dreymüller, El País