Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Os inspetores da língua

16.05.19

sherlock1.jpg

Antes de mais gostaria de referir duas coisas:

- pedir desculpa às pessoas que aqui vem à procura de alguma coisa sobre livros porque hoje estas linhas são apenas sobre um derivado e não sobre livros em concreto.

- que esta a primeira e última vez que vou escrever sobre este assunto.

Através de alguns espaços que acompanho já me tinha deparado várias vezes com comentários de um tipo de pessoa muito específico, o inspetor da língua.

Ora ontem, em resultado do fluxo trazido pelo destaque do Sapo para o post “Livro – nem para roubar serve”, canhou-me a mim pela primeira vez receber neste modesto espaço a visita de alguns desses inspetores. Devo dizer que já algum tempo que aguardava por algo do género.

Os/as Inspetores (as) deram conta de um erro de escrita que, entretanto, corrigi. Onde devia estar “há mais de 5 anos” estava “à mais de 5 anos”, e desde logo se insurgiram no sentido em que, para alguém que gosta tanto de livros, este erro seria quase de lesa-pátria.

De uma forma geral tenho a registar que adoro mentes iluminadas que circulam pela internet como polícias da língua, traduzindo as suas ações em atos que são um reflexo das suas vidas certamente preenchidas e cheias de interesse...

É o mesmo tipo de sábio que, ao assistir a uma dissertação brilhante sobre física quântica, tem apenas a comentar jocosamente que a camisa do orador tinha um padrão horrível... nunca tem nada de positivo para referir.

Em suma, gostaria de agradecer os comentários e a lição de português sem a qual, provavelmente, ficaria para todo o sempre na ignorância relativamente à utilização de à e há...

Uma nota final para referir que o erro em causa foi um lapso, mas poderia não ter sido, porque, pasme-se, o Leitor por vezes dá erros. Poderão ser lapsos de escrita porque se escreveu e não houve tempo para rever o texto, mas também podem acontecer erros de facto porque este Leitor, contrariamente aos inspetores desta vida, não atingiu o nirvana da perfeição.

E para quem depois possa vir dizer “eu só alertei para poder corrigi”, não, não é disso que estamos a falar. Se eu quiser alertar alguém (e por princípio não o faço porque não dou relevância) faço-o de forma a informar/alertar para a incorreção, ser possível de forma privada, e apenas com pessoas com quem tivesse algum grau de partilha, nunca num sentido de pseudo-superioridade como a que referi acima.

O meu muito obrigado a todos os que chegaram a esta linha e são amantes de livros e não inspetores da língua. Voltem sempre! Amanhã há mais... sobre livros!

Novidade - "Less" de Andrew Sean Greer

16.05.19

adadads.jpg

 

Trata-se do vencedor do Pulitzer de 2018. Mais um para a wishlist.

Sinopse:

Arthur Less está a chegar aos cinquenta anos. É um homem de boa índole e que tem uma carreira de escritor discreta e demasiado mediana. Muitos anos antes, fora o jovem amante de um génio da literatura e aprendera a ocupar um lugar de irrelevância ou periferia. Agora, luta com as suas dúvidas e inseguranças, e tenta sobreviver num meio de egos devoradores. Um dia é convidado para um casamento que descobre ser o do seu ex-namorado com outra pessoa.

Assim começa o longo périplo que antecede o seu quinquagésimo aniversário: tentando fugir ao casamento, Less começa a aceitar todo o tipo de convites para participar em leituras, festivais literários, palestras um pouco por todo o mundo.

De França à Índia, da Alemanha ao Japão, do México a Itália, Arthur Less quase se apaixona, quase desiste, quase morre, mas acaba por encontrar o seu caminho de regresso a casa e à vida. Um romance satírico sobre o amor, o avanço da idade, o desencontro e as profundezas do coração humano.