Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Pensamentos de um pobre que gosta de livros

20.03.19

Lib2-1170x563.jpg

(foto retirada daqui)

Não penso muito no que faria se me saísse o Euromilhões, mas um dia mas já por mais do que uma vez dei comigo a pensar no que faria com tanto dinheiro, e um dos primeiros pensamentos que me vem à cabeça não é um super carro ou uma mega mansão é... uma gigantesca biblioteca.

É verdade que para ter uma gigantes biblioteca teria de ter uma grande casa, mas é com se ela fosse criada a partir da biblioteca e não o contrário.

Enfim, pensamento de pobre que gosta mesmo de livros.

Novidade - "O Anjo da Vingança" de Giorgio Scerbanenco

20.03.19

1239.jpg

 

Sinopse:

Duca Lamberti foi médico em tempos. Expulso da ordem, vive de colaborações ocasionais com a polícia sempre que o acaso lhe bate à porta. E logo no início deste romance, o acaso surge sob a forma de uma provocante milanesa, casaco vermelho comprido a tapar mal as longas pernas em meias de renda preta. Vai casar-se em breve com um talhante de mau feitio, e quer ir como nova; pretende que o doutor lhe restitua a virgindade há muito perdida, uma cirurgia simples, uma himenoplastia. O doutor diz que sim. Toda ela, e a história que conta, traz consigo o inequívoco fedor a trafulhice. E o doutor, que passou três anos na prisão, reconhece o odor à légua.

Com a ajuda da polícia, investiga a milanesa do longo casaco vermelho. E ao puxar o fio à meada, começa a deslindar uma fiada de assassinatos, vários carros afogados nos canais imundos de Milão. Não há coincidências. Vai atrás das pistas, e as pistas são pessoas: a empregada de perfumaria, grávida, que quer fazer um desmancho; o dono do hotel de província que aluga à hora uns quartitos discretos; o talhante mafioso, o advogado milionário que nunca exerceu… Todos têm uma história para contar. Todos eles revelam as entranhas de uma cidade corrupta, apodrecida até à medula, a negra Milão dos anos 60, pintada cruamente pelo seu melhor retratista, Giorgio Scerbanenco.

Uma narrativa tensa, pontuada por diálogos de um cinismo delirante, entrecortada pela ocasional explosão de violência.