Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

A Minha Biblioteca... ou uma amosta dela

01.03.19

biblio.png

 

Há quase um ano atrás referi aqui que tinha encontrado uma solução para catalogar a minha biblioteca através de uma App “Minha Biblioteca”. Nos primeiros tempos fui registando alguns livros e em diversas ocasiões, fiz mais um ou outro forcing com mais uns quantos registos de uma só vez.

Apesar disso, quase um ano depois ainda não cheguei sequer aos 200 registos.

É verdade que mesmo em livros mais recentes acontece com frequência o ISBN não ser encontrado, o que dificulta o processo de registo, mas ainda assim a principal razão para o escasso número de registos tem a ver com... preguiça.

Ainda ontem estive a olhar para uma pilha onde nenhum está ainda codificado e a pensar que em muitos dias de excesso de stress esta até podia ser uma atividade apaziguadora. E, para além disso é também um exercício nostálgico quando esbarro em livros que não abria há anos.

Tenho mesmo de voltar ao tema nem que seja com um objetivo semanal de número de registos a garantir.

Novidade - "Dor" de Zeruya Shalev

01.03.19

sadad.jpg

 

Sinopse:

«Pergunta-se se naquela casa vivem pessoas reais, porque subitamente lhe parece vazia e lhe falta o principal.»

Iris, 45 anos de idade, casada e com dois filhos, julga ter superado os dois grandes traumas do seu passado: o abandono por parte de Eitan, o seu primeiro amor, que quase a levou ao suicídio, e o atentado terrorista de que foi vítima.

Contudo, à distância de dez anos, ainda resultado desse último e terrível episódio, a dor física de Iris regressa subitamente, ao mesmo tempo que esta reencontra Eitan por acaso. Juntando a estes dois acontecimentos a suspeita de adultério de Michi, o seu marido, e a preocupação pela filha adolescente, envolvida com um homem casado, o frágil equilíbrio que Iris construiu parece estar à beira de colapsar.

Pessoal, íntimo e tocante, Dor é a exposição das feridas abertas de uma sociedade e uma viagem catártica através do sofrimento, do passado e da luta para viver plenamente o presente. Zeruya Shalev é, a par de Amos Oz e David Grossman, uma das escritoras israelitas mais lidas no mundo.