Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

As minhas compras de janeiro

31.01.19

123.png

Terminado o mês de janeiro fiz um ponto de situação das compras que realizei, na esmagadora maioria dos casos por via do OLX. No total comprei seis livros, quatro para abater diretamente na minha wishlist e mais dois que, não estando, poderiam estar na wishlist, aproveitei o facto de estarem a bom preço e o facto de serem dois livros que já tinha intenção de comprar.

Então, para abater à wishlist temos “Fascismo” de Madeleine Albright, “Antes de eu partir” de Paul Kalanithi, “A última porta antes da noite” de António Lobo Antunes e “O que o CEO quer que saiba” de Ram Charan.

Adicionalmente, e não previsto, adquiri “Jerusalém” de Gonçalo M. Tavares e ainda “O Gigante Enterrado” de Kazuo Ishiguro.

Tento comprar livros que pretendo, ou pelo menos espero, que façam parte das minhas leituras de 2019, mas já sei que será difícil.

Novidade - "Coração Duplo" de Marcel Schwob

31.01.19

asdadsadada.jpg

 

Sinopse:

«O coração do homem é duplo; nele o egoísmo compensa a caridade; a pessoa é o contrapeso das massas; a conservação do ser conta com o sacrifício dos outros; os polos do coração estão no fundo do eu e no fundo da humanidade.»

Estreia literária de Marcel Schwob, marcada por um estilo novo de fantástico, influência maior para o surrealismo vindouro de André Breton ou o imaginário de Jorge Luis Borges, Coração Duplo ocupa um lugar de destaque na Literatura mundial.

Ao longo das suas páginas, sob o signo do Terror e Piedade, desfilam cenários de banquetes faustosos na antiga Roma, ambientes góticos da Paris medieval ou relatos apocalípticos de sociedades futuras, onde o absurdo e o sobrenatural se encontram com o humor negro, e o medo espreita na fantasia do sonho.

Assumindo claramente a influência de Robert Louis Stevenson, a quem dedica este livro, Marcel Schwob cria um conjunto de contos baseados no conceito aristotélico do terror e piedade que deveria estar na base de toda a ficção.