Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Novidade - "Devorar o Céu" de Paolo Giordano

27.10.21

i8.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Teresa passa os verões da adolescência com a avó e o pai no sul de Itália. É aí que conhece três rapazes que à noite saltaram a sebe para nadarem na piscina de onde vão ser escorraçados. Fazem parte de uma espécie de seita religiosa, dirigida pelos pais de um deles, e são inseparáveis. Teresa sente-se atraída por Bern, o mais inquieto e desafiador. É um encontro que a vai arrancar ao seu previsível destino de estudante universitária em Turim e levá-la a viver o amor e o desamor, o entusiasmo e a frustração na busca de uma relação com a natureza e também com o transcendente.

O grupo que formam procura redimir-se através do cultivo ecológico da terra. O autor de A Solidão dos Números Primos narra-nos a vibrante história de quatro vidas em que se sucedem não só as estações, mas também as ilusões e os desenganos de um ativismo radical.

Novidade - "Sob um Céu Branco" de Elizabeth Kolbert

27.10.21

450.jpg

Mais sobre o livro aqui

Adquirido. A aguardar chegada à biblioteca do Ministério.

Sinopse:

Numa época de rios eletrificados, animais e plantas geneticamente modificados e geoengenharia, na qual a Natureza já quase nada tem de natural, poderá a salvação do Homem e do nosso planeta depender de intervenções ainda mais profundas no meio ambiente ou será esse, como muitos defendem, «o caminho mais direto para o inferno»?

Prosseguindo o trabalho de investigação sobre a era do Antropoceno iniciado em A Sexta Extinção, Elizabeth Kolbert descreve neste seu novo livro os mais recentes e controversos projetos na área da conservação ambiental e da intervenção climática, que conjugam ciência e ousadia.
v Assim, a solução para o colapso iminente da Grande Barreira de Coral Australiana poderá passar pelo desenvolvimento genético de um supercoral, a preservação da espécie de peixe mais rara do mundo depender da minuciosa simulação artificial do seu meio ambiente ou o aquecimento global conhecer uma drástica diminuição através do lançamento de gigantescas quantidades de partículas de calcite para a estratosfera, ainda que, como consequência, o preço a pagar pela humanidade seja viver sob um céu branco.

Um livro tão fascinante e esperançoso quanto perturbador, que nos confronta com escolhas difíceis e decisões derradeiras acerca do nosso futuro.

Obra amplamente elogiada pela crítica internacional e recomendada por personalidades como Bill Gates, Barack Obama ou Al Gore.

Críticas
 
«Um livro maravilhoso e um aviso muito claro de que as mudanças repentinas são possíveis de ocorrer. Já aconteceram no passado e podem vir a repetir-se.»
Barack Obama

 

Críticas de imprensa
 
«Uma reflexão admirável e objetiva acerca destes nossos extraordinários tempos.»
Nature

Audiolivro - “O Assassinato de Roger Ackroyd” de Agatha Christie

27.10.21

Uma das últimas compras (25).png

Mais sobre o livro aqui

Quando ainda jovem li, salvo erro, dois livros de Agatha Christie e lembro-me de ter achado “apenas” interessante, mas percebo hoje que não lhe dei o devido valor.

Mais recentemente voltei aos seus livros, com a leitura de “Crime no Expresso do Oriente” e “No Início, Eram Dez…” dois extraordinários livros, diga-se de passagem.

Nesta terceira incursão, fiz uma pesquisa para tentar perceber quais as suas obras mais reconhecidas e entre elas, de forma mais ou menos unanime estava este “O Assassinato de Roger Ackroyd” pelo que, foi uma escolha fácil.

Aquilo que posso dizer é se que trata de um livro brilhantemente escrito. Um policial onde todas as peças se encaixam, com um nível de imaginação e detalhe soberbos. Parece simples, em termos de escrita, mas é bastante inovador para a época em termos de conceito, mais ainda se pensarmos que foi escrito há praticamente um século! As personagens são desenhadas ao detalhe, os enganos bem definidos, as pistas muito bem escondidas. E mais não digo para não estragar a história a quem queira ler.

É verdade que há por aí abundante quantidade de policias de grande qualidade, mas se puderem voltem aos clássicos, por exemplo com este livro e deslumbrem-se com a qualidade da história que nos é apresentada. Absolutamente recomendável!

Novidade - "Sapiens: Os Pilares da Civilização - (Novela Gráfica, vol. 2)" de Yuval Noah Harari e David Vandermeulen; Ilustração: Daniel Casanave

26.10.21

450.jpeg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Segundo volume da extraordinária adaptação ilustrada do bestseller internacional Sapiens - História Breve da Humanidade.

E se há 12 mil anos os humanos tivessem voluntariamente caído numa armadilha da qual nunca mais conseguiram sair? Sapiens: Os Pilares da Civilização explica-nos como de caçador-recoletor nómada o Homo sapiens aprendeu a domesticar plantas e animais tornando-se sedentário.

Esta é a história de como o trigo tomou conta do planeta, de como um casamento improvável entre um deus e um burocrata criou os primeiros grandes impérios do mundo, e de como a guerra, as epidemias, a fome e a desigualdade social se tornaram para sempre uma parte da condição humana.

Neste segundo volume da adaptação ilustrada de Sapiens - História Breve da Humanidade para novela gráfica, Yuval Noah Harari, em parceria com o escritor David Vandermeulen e o ilustrador Daniel Casanave, faz-nos uma vez mais viajar através dos séculos, investigando, desta feita, uma das maiores transformações da História: a Revolução Agrícola e as suas inesperadas consequências para a sociedade humana.

Ilustrado a cores, original e cheio de humor, este livro é indicado para quem quer continuar o diálogo iniciado em Sapiens: História Breve da Humanidade e para apresentar o universo e as ideias de Noah Harari a novos leitores, curiosos pela história e pela ciência, e pelo que tem sido o longo e agitado percurso do ser humano até aos dias de hoje.

Novidade - "O Caçador de Elefantes Invisíveis" de Mia Couto

26.10.21

dddd.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Mia Couto volta a um género literário que pratica com reconhecida mestria desde a sua primeira obra em prosa, a coletânea Vozes Anoitecidas, que a Caminho publicou no já longínquo ano de 1987.

O Caçador de Elefantes Invisíveis recolhe sob este título, que é também o de um dos contos antologiados, as belas histórias que a revista Visão vem publicando mensalmente.

Aproveitou a oportunidade para lhes dar uma demão, mais ou menos intensa aqui e ali, e presenteia-nos com um livro que está à altura das melhores obras que neste género se escreveram em língua portuguesa. O estilo é sóbrio e preciso, os temas são vários e diversos, o lugar donde o autor vê o mundo e o retrata neste livro é tão amplo que nele cabe tudo.

Entre a história do pobre velho, ou melhor, de um velho pobre que recebe em casa um enfermeiro em serviço de rastreio da covid 19, e, já no fim do livro, a conversa das estátuas que descem dos seus pedestais, descem e não são derrubadas, para conversarem sobre os males e os equívocos deste mundo, entre uma e outra destas histórias o leitor encontra personagens e cenas que não lhe sairão tão cedo da memória.

O Caçador de Elefantes Invisíveis é uma vez mais Mia Couto no seu melhor.

Notícias Livrescas

26.10.21

Notícias livrescas.png

- A escritora moçambicana Paulina Chiziane é a vencedora do Prémio Camões de 2021. O Prémio Camões é o maior prémio de prestígio da língua portuguesa.

- A Biblioteca Internacional de Munique divulgou a sua lista dos melhores livros infantis de 2021. Na lista de 200 títulos com origem em 54 países, constam duas obras portuguesas, “Noa” de Susana Cardoso Ferreira e ilustração de Raquel Costa e também “Para que serve?” de José Maria Vieira Mendes, ilustrada por Madalena Matoso.

- O primeiro livro de José Saramago, “Terra do Pecado” de 1947, foi lançado pela primeira vez em castelhano na semana passada com o título "La Viuda".

- Em Espanha acabou o mistério por trás da “escritora” Carmen Mola, “autora” de vários livros policiais de sucesso, inclusive o livro “Noiva Cigana” já traduzido para português. Por ocasião da atribuição do Prémio Planeta ficou a saber-se que afinal por trás de Carmen Mola estão três homens Antonio Mercero, Jorge Díaz e Agustín Martínez e não uma professora de liceu, mãe de três filhos que ensina álgebra de manhã e escreve romances de violência selvagem e macabra durante as tardes no seu tempo livre, conforme se pensava.

- A Livraria Lello emitiu uma carta aberta onde apela a que os livros passem a ser objeto de prescrição médica. A carta defende que os livros são "um alicerce insubstituível de sanidade mental", pelo que devem ser "despesa da saúde". Mais informação no site da livraria.

Novidade - "Encruzilhadas" de Jonathan Franzen

25.10.21

ººº4.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

É 23 de dezembro de 1971 e a família Hildebrandt está numa encruzilhada. O patriarca Russ, pastor adjunto de uma igreja de Chicago, está prestes a libertar-se do jugo de um casamento que considera infeliz... assumindo que Marion, a sua brilhante e instável mulher, não o fará primeiro.

Clem, o filho mais velho, regressa a casa da faculdade com uma novidade que ameaça despedaçar o pai e o resto da família. A sua irmã Becky, que há muito tempo é a inquestionável rainha da sua escola, atravessa um momento de crise moral e muda drasticamente de círculos sociais. E o pequeno Perry, farto de vender erva para sustentar o seu vício em drogas, está determinado a ser uma pessoa melhor.

Por caminhos muito diferentes, os Hildebrandts anseiam por uma liberdade que outros ameaçam complicar.

Novidade - "Criatividade" de de John Cleese

25.10.21

fsdfs.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Talvez pense que a criatividade é algo de misterioso, como um dom raro que apenas um punhado de pessoas possui.
John Cleese tem uma opinião diferente. Tal como demonstra neste curto, prático e divertido ensaio, a criatividade é uma competência que todos podemos desenvolver.

A partir da sua experiência enquanto escritor, Cleese partilha a sua visão sobre a natureza do processo criativo e oferece conselhos sobre como começar a fazer fluir a torrente de criatividade que tem dentro de si.

O que precisa de fazer para entrar no estado de espírito adequado para criar?
Como saber que teve uma ideia que vale a pena perseguir?
O que fazer quando sente que está bloqueado?

O que eu gostava de ler até final do ano...

25.10.21

Cópia de novidades de daniel silva e gabriel allo

Depois de vários fins de semana mais movimentados, este último foi mais caseiro e, por isso mesmo, permitiu-se fazer algo que já andava para fazer desde as minhas férias: fazer uma lista dos livros que gostaria de ler até final do ano.

Havia duas formas de fazer esta lista, uma mais idealista (ou irrealista), que provavelmente acabaria com 50 livros para ler em pouco mais de dois meses, e uma mais terra-à-terra, com a identificação dos livros que, acredito, serei capaz de ler, ou, pelo menos, que sejam a parte principal das minhas leituras até final do ano.

Assim sendo, como faltam 10 semana para o final do amo, assumindo que consigo ler um livro por semana, é este o panorama que tenho em vista (depois de muito escrutínio e de inúmeras alterações):

Tenho dois livros que estão certos e que dizem respeito às duas leituras previstas para o Clube de Leitura do PNL 2027 em novembro e dezembro, são eles “A Viagem do Elefante” de João Amaral (BD inspirada na obra de Saramago) e “Obras Completas Maria Judite de Carvalho - Tanta gente, Mariana | As palavras poupadas" (Volume 1).

Depois há o novo livro de José Rodrigues dos Santos, “O Jardim dos Animais com Alma", que será leitura obrigatória ainda antes do final do corrente mês.

O livro de Michio Kaku, “A Equação Divina” está também entre os eleitos, assim como o livro “A Era do Capitalismo de Vigilância” de Shoshana Zuboff, livro sobre o qual tenho ótimas referências e que tenho andado a adiar.

O novo livro de Sally Rooney, “Onde Estás, Mundo Maravilhoso?”, o livro de Elizabeth Kolbert “Sob um Céu Branco” que sai esta semana e “Racionalidade” de Steven Pinker são mais três escolhas bem colocadas.

Os últimos dois lugares vão para um livro que ando também a adiar “Exalação” de Ted Chiang e para “Uma História da Leitura” de Alberto Manguel.

Tenho a certeza que esta lista sofrerá alterações, porque haverá um dia em que vou abrir outro livro, ler algumas páginas e acabar por decidir levá-lo até ao fim, e também porque até final no ano sei que há muita coisa por sair para as livrarias que pode alterar a lista (por exemplo um novo livro de Afonso Cruz). Mas é normal, quando há muito e de boa qualidade para ler!

Nota: Se tiverem de abastecer a biblioteca até final do ano, hoje é um bom dia, com 20% de desconto em novidades na Bertrand (para variar tenho compras para fazer...).

Em www.bertrand.pt

Novidade - "Pessoa & Saramago" de Miguel Real

24.10.21

oooe.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

«Ainda que firmados em dois projetos literários diferentes, em dois tempos mentais diferentes, quase antagónicos, se não mesmo contraditórios, duas caraterísticas são comuns a Pessoa e a Saramago:

- A total transgressão dos códigos estéticos do seu tempo, balizando um novo vinco na história da literatura;
- Uma representação absolutamente original da língua, do homem e da sociedade - Pessoa, da crise do sujeito literário e existencial do princípio do século, respondendo com a originalíssima multiplicação da identidade autoral e narrativa; Saramago, da situação crítica do mundo ocidental no final do século, postulando uma escrita que funde o romance com o ensaio, uma escrita que não intenta apenas revelar o mundo, mas sobretudo, usando a sua visão pessoal do mundo, problematizá-lo, complexificando o estatuto do narrador, incorporando neste o autor.»

É assim que Miguel Real, conhecido ficcionista, crítico literário e ensaísta, que há mais de vinte anos se dedica ao estudo de autores e pensadores portugueses, resume o presente ensaio que, partindo de uma conferência realizada no México, trata do que é próprio e afim.