Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ministério dos Livros

Um blog sobre livros e seus derivados

Novidade - "O Marinheiro Que Perdeu as Graças do Mar" de Yukio Mishima

02.03.21

ddd4.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Rapazes de treze anos, Noboru e o seu grupo rejeitam os valores do mundo dos adultos, tão voláteis às paixões, tão desligados do verdadeiro sentido da existência. Quando a sua mãe conhece o marinheiro Ryuji e se envolve com ele, o rapaz fascina-se com as histórias de aventuras no alto-mar, com a coragem e a calma daquele homem, com a solidez do seu corpo. Mas o grupo não se rende facilmente a encantos e, assim que o marinheiro desilude os seus ideais fundamentalistas, montam e põem em marcha um cruel plano de vingança. Um dos mais breves e poderosos romances da obra de Yukio Mishima, O Marinheiro Que Perdeu as Graças do Mar foi publicado originalmente em 1963, revelando um olhar de um radicalismo brutal sobre a honra perdida de uma sociedade japonesa irremediavelmente transformada pela guerra.

Book quote

02.03.21

mdl1.png

Talvez seja inocência da minha parte, mas acredito genuinamente nesta frase.

A palavra chave desta citação está implícita e não escrita: tolerância. Acredito verdadeiramente que a leitura nos pode tornar mais tolerantes com os outros na medida em que nos mostra outras formas de encarar o mundo, a vida, os problemas, as dificuldades e até as alegrais. Aumenta-nos o nosso espectro de sensibilidade em relação à forma como os outros, diferentes de nós, veem o mundo, sem que isso resulte num conflito.

É por isso que quando muitas vezes olho à minha volta sinto que faltam muitas horas de leitura. Não me estou a colocar em bicos de pés, tenho muito defeitos, mas também tenho consciência que sou uma pessoa tolerante (exceto com a estupidez). Devo-o à educação que me deram, mas também muito aos livros e à leitura.

Novidade - "O Espião Perfeito" de Owen Matthews

01.03.21

222s.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Nascido em Baku em 1895 de pai alemão e mãe russa, Richard Sorge moveu-se num mundo de alianças instáveis e infinitas possibilidades. Membro da geração revoltada e iludida que encontrou crenças novas e radicais nas suas experiências nos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial, Sorge tornou-se um comunista fanático — e o espião mais formidável da União Soviética.

Como muitos dos grandes espiões, Sorge foi um sedutor nato, combinando charme com manipulação implacável. Não precisava de se ocultar para desvendar segredos de Estado bem guardados — as suas vítimas partilhavam-nos de bom grado.

Como correspondente estrangeiro, infiltrou-se e influenciou os mais altos quadros das sociedades alemã, chinesa e japonesa nos anos que precederam e durante a Segunda Guerra Mundial.

Críticas
 
«O espião mais formidável da história.»
Ian Fleming

«Uma biografia soberba.»
Ben MacIntyre

Livros que fazem Cócegas no Cérebro

01.03.21

MINISTÉRIO dos LIVROS (23).png

Adoro livros, adoro ler, adoro a leitura e tudo o que lhe diz respeito, a vários níveis, em várias dimensões. Mas há uma componente em concreto que cada mais me dá mais gozo encontrar num livro e que não é fácil de explicar. Vou chamar-lhe apenas "cócegas no cérebro".

Trata-se de uma sensação que obtenho normalmente em livros de não ficção, sejam de ciências, divulgação cientifica, sociologia, gestão ou similares, embora, também possa ocorrer em livros de memórias, testemunhos e, a espaços, com livros de ficção.

Vou tentar explicar usando como exemplo o último livro que concluí, “Outliers”. Trata-se de livro que dá uma perspetiva completamente diferente sobre algumas questões (sucesso, talento, por exemplo) que julgamos saber, ou que temos como adquiridas. Através de exemplos concretos o autor faz-nos repensar o que conhecemos como verdade, ou dá-nos uma peça central de um puzzle que podíamos ter por concluir, ou que nem sabíamos que tínhamos, e ao colocar a peça temos uma imagem completamente diferente da que esperávamos.

A ideia de conseguir este ato de “iluminação” através de um livro é algo que me apaixona verdadeiramente. Não é apenas o conheciment, é mais do que isso. É isso que me faz amar verdadeiramente os livros.

Por vezes são meia dúzia de linhas num livro inteiro que conseguem ter este efeito, mas a verdade é que o impacto pode ser muito maior. porque uma peça de informação sobre uma questão em concreto pode permitir compreender e responder a muitas outras questões quase que num efeito dominó.

O efeito que um livro tem neste leitor pode medir-se, entre outros aspetos, pelo nível de iluminação de provoca. Adoro ser iluminado por um livro que me faz cócegas no cérebro.

Novidade - "O Amante do Vulcão" de Susan Sontag

28.02.21

dsd3dc.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Esgotado há muito, o grande romance histórico de Susan Sontag é uma história sobre um triângulo amoroso, a condição das mulheres, a arte, a política - e Nápoles no século XVIII.

O amante do vulcão referido no título é Sir William Hamilton, diplomata, arqueólogo, vulcanólogo e antiquário britânico - um temperamento erudito e curioso que é também recordado como o marido complacente de Emma Hamilton, amante do Almirante Nelson, famoso pelas suas intervenções nas Guerras Napoleónicas e depois vitorioso na batalha de Trafalgar. A história decorre em Nápoles, onde, de 1764 até 1800, Sir William, conhecido como Cavaliere, foi o embaixador britânico no reino das Duas Sicílias.

O romance é uma espécie de tríptico, dividido entre Hamilton, a sua esposa e Lord Nelson. No amor que irrompe entre Emma e Lord Nelson, o Cavaliere encontra outro daqueles fenómenos naturais da vulcanologia que ele só pode observar, nunca experimentar - Emma, cheia de alegria e uma certa vulgaridade, egoísmo, amor à vida, e crueldade; Nelson, uma fonte de mistério, herói militar e também um homem contraditório e um tirano impiedoso. O resultado, na visão de Sontag, só pode ser prodigioso. Um romance inesquecível.

Críticas de imprensa
 
«O Amante do Vulcão é um romance poderoso de ideias: alimentado pelo feminismo de Sontag, aplica uma lente moderna às preocupações morais, sociais e estéticas do Iluminismo. E é também um inventário terno do desejo.»
The Guardian

«Walter Scott certamente teria aprovado o livro; teria gostado imensamente dele.»
John Banville, The New York Times

«Há uma qualidade operática no livro, e uma grandiosidade, às vezes majestosa, na arte de contar. O estilo é confiante, vigoroso, espirituoso.»
John Banville, The New York Times

«Sontag acrescenta uma textura histórica à sua saga de intriga sexual e amorosa - e leva-nos a conhecer a vida sórdida, cheia de paixão e política.»
Kirkus Review

Conversas Livrescas que vale a pena ouvir

28.02.21

MINISTÉRIO dos LIVROS (22).png

Estes tempos de confinamento obrigam a que as conservas também sejam confinadas. Hoje deixo duas sugestões de conversas sobre livros que valem muito a penas ouvir.

São duas “Conversas Finadas” promovidas pela Junta de Freguesia de Alvalade, com Carlos Vaz Marques como entrevistador e tendo como entrevistados os escritores Afonso Cruz e José Luís Peixoto.

 

 

Novidade - "Revista Dois Pontos N.º 5 - O Espaço" de Carlo Giovani

27.02.21

2sdc.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Uma missão aeroespacial para mentes exploradoras!

Na primeira Dois Pontos de 2021 navegamos pelo cosmos à descoberta das estrelas, da gravidade, dos astronautas, dos satélites e das constelações.
Dedicamos toda a nossa energia cósmica a partilhar com os leitores os factos e curiosidades do espaço sideral - muito bem acompanhados pelas ilustrações do Carlo Giovani, um talento de outro mundo.

DOIS PONTOS # 5 - O ESPAÇO
- O que é o Big Bang?
- Passo a passo: como dançar o moonwalk
- O que comem os astronautas?
- Que animais já foram ao espaço?
- Como funciona a Estação Espacial Internacional?
- O Jogo da Tabuada do 7
- Atividades e desafios
- Páginas para colorir

Novidade - "A Menina das Estrelas" de Jerry Spinelli

27.02.21

3dfg.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Ela é diferente, é divertida e espontânea, autêntica e intensamente original, e tem dois olhos imensos que brilham de espanto para o mundo. Stargirl, a Menina das Estrelas, a nova colega recém-chegada à nossa escola, é um girassol exuberante num campo de malmequeres todos iguaizinhos uns aos outros. Ela traz consigo a frescura de um amanhecer na floresta, das primeiras chuvas a cair no deserto, e, quando sorri, parece que milhões de pequenas estrelas se desprendem dela preenchendo todo o espaço à sua volta.

Ela é tudo aquilo que nós não temos coragem de ser e, depois dela, nada ficará como antes. Não queremos acreditar que exista alguém assim, que desata às gargalhadas quando ninguém disse piada nenhuma; que começa a dançar quando não há música; que canta os parabéns, em pleno refeitório, sempre que alguém faz anos; que fica feliz sempre que algum de nós está feliz. Mas ela é real e todos os dias nos surpreende com algo de novo.

Ainda não sabemos bem como é que toda esta história vai acabar, mas de uma coisa temos a certeza - ela é incrível e tu tens de vir conhecê-la! Ela vai fazer do teu mundo um lugar mágico!

Notícias Livrescas

27.02.21

Notícias livrescas.png

- Foi ontem anunciado, na abertura da 22.ª edição do festival Correntes d’Escritas, o Prémio Literário Casino da Póvoa. A vencedora foi Maria Teresa Horta com o livro "Estranhezas". Os finalistas eram 11 livros de poesia de outros tantos autores. Mais sobre o livro vencedor aqui.

- A Revista Sábado publica em três volumes a autobiografia de Barack Obama, “A Minha Herança”, escrita na década de 90, antes de se tornar presidente dos EUA. O primeiro volume saiu ontem, dia 25 de fevereiro.

- Um grupo de ex-alunos da Universidade de Aveiro lançou uma plataforma de aluguer de livros online. Chama-se “Book It” e pretende ser um espaço que permita rentabilizar livros já lidos que estão em casa sem utilização.

- Duas notas (menos comuns) sobre livros e futebol. A primeira para sugerir um vídeo no canal de Youtube do Plano Nacional de Leitura do jogador do Rio Ave, Francisco Geraldes, a falar sobre livros e a importância da leitura. A segunda para fazer referência a um gesto solidário do futebolista Fábio Silva que doou 50 livros infantis ao Serviço de Oncologia Pediátrica do Centro Hospitalar Universitário de São João. O livro oferecido denomina-se "Quando o mundo perdeu a cor", da autoria de Ana Rute Simões, e enquadra-se no "Movimento Espalhar Magia", cuja missão é oferecer livros a crianças institucionalizadas.

- O New York Times apresentou 16 livros para ter em conta no mês de março. Há muita diversidade e autores conhecidos. Mais infornação aqui.

 

Novidade - "A Lua e as Fogueiras" de Cesare Pavese

26.02.21

2wsde.jpg

Mais sobre o livro aqui

Sinopse:

Depois de vinte anos emigrado na América, um homem regressa à Itália da sua juventude. Percorre os caminhos da aldeia onde viveu ainda rapaz, atravessa os campos e descobre que à sua volta tudo mudou. Tudo menos a paisagem e Nuto, um velho amigo com quem gosta de falar do passado. Ao seu espírito acorrem as imagens de outros tempos, os primeiros amores, as primeiras experiências de vida, mas entretanto outros acontecimentos intervêm, já não recordações, mas a cega loucura do presente, outros fogos que não são já as fogueiras que os camponeses acendiam, mas incêndios provocados pela raiva ou pelo desespero. Romance que precede em poucos meses o suicídio do autor, em 1950, A Lua e as Fogueiras é uma história sobre a passagem do tempo, as cicatrizes que se acumulam no homem e, em contraponto, a impassibilidade da natureza. Um texto que revela em pleno os talentos de Cesare Pavese.